Espetáculos

Sinopse

Ao entrar no cenário, o público se depara com o inesperado. O palco não está onde deveria estar: as pessoas são chamadas a ocuparem o espaço cênico e iniciar uma viagem sensitiva ao encontro dos seres e da imaginação. É uma experiência única, aproximando espectadores que, na penumbra do teatro, se veem confrontados pelo desconhecido. Sob os voos rasantes de fantásticas criaturas aladas, crianças e adultos se encontram em estado de contemplação das diferenças, intimamente conectados ao mundo dos seres imaginários.

Gênero: teatro de bonecos
Classificação: livre
Sessões de 10 minutos

 

Grupo

CIA. SERES IMAGINÁRIOS

Porto Alegre (RS)

O Teatro dos seres imaginários é o primeiro espetáculo desta companhia, que estreou em 2014 reunindo um elenco de profissionais com longa trajetória nas artes cênicas e experiência no teatro de animação. O diretor e manipulador, Cacá Sena, iniciou seu trabalho com teatro de bonecos em Porto Alegre, com o TIM – Teatro de Marionetes, fundado por sua família em 1954. Jackson Zambelli, diretor e roteirista, tem mais de vinte anos de experiência de teatro de rua e encenações em espaços alternativos. Ao longo dos últimos quatro anos, a Cia. Seres Imaginários percorreu diversos festivais no Brasil, como o 7° Festival Internacional de Teatro de Rua de Porto Alegre, o Festival Mirada, em Santos/SP, e o 25° Porto Alegre em Cena. Em 2017, o espetáculo foi contemplado pelo Programa de Ocupação dos Espaços da Caixa Cultural.

 

Ficha Técnica

Manipulação: Cacá Sena, Charles Kray, Elaine Regina e Silvia Regina Ferrare
Desenho e construção dos seres: OBA – Oficina de Bonecos Animados –, Heloisa Dile, Renato Spinelli e Duda Spinelli
Iluminação: Carol Zimmer
Operação de luz: João Fraga
Técnico: Alexandre Ricardo Silveira
Música: Sérgio Olive
Desenho gráfico no cenário: Pedro Alice
Cenotécnica: Fake Cenografia
Fotografia: Rique Barbo
Produção executiva: Fabiane Baumann
Roteiro e direção de cena: Jackson Zambelli
Criação e direção geral: Cacá Sena

 

 

Pensamento Giratório

A maneira como nosso público se relaciona com o espetáculo torna-se um elemento fundamental da cena. O espectador gira para acompanhar os personagens. Nossa concepção cênica se mistura com a concepção física do cenário, pois o assistente praticamente veste a encenação como se fosse uma “roupa”. Roupa esta que também permite uma grande agilidade e possibilidade de deslocamento para os mais variados espaços. A proposta é dialogar a partir dessa montagem em que a dramaturgia se mistura com palco, cenário, ator, manipulador e espectador.

Oficina

Oficina de vídeo com bonecos


A oficina de vídeos em curta-metragem trabalha com os fundamentos da criação de roteiros e produção de vídeos, utilizando técnicas variadas da linguagem de teatro de bonecos.

Público-alvo: a partir de 16 anos
Carga horária: 6 horas
Ministrante: Cacá Sena
Número máximo de participantes: 25 alunos

Oficina

Vozes do tempo: atividades com inclusão


Dinâmicas como jogos teatrais e danças circulares utilizando vocabulário básico com libras.
Público-alvo: adolescentes e adultos de todas as áreas, ouvintes e surdos, iniciantes em Libras
Carga horária: 3 horas
Ministrante: Elaine Regina
Número máximo de participantes: 15 alunos