Espetáculos

Sinopse

Inspirada livremente na obra de Lima Barreto (1881-1922), especialmente nos livros Diário íntimo e Cemitério dos vivos, o monólogo teatral Traga-me a cabeça de Lima Barreto reúne trechos de memórias impressas em suas obras, entrecruzadas com livre imaginação. O texto fictício tem início logo após a morte do escritor, quando eugenistas exigem a exumação do seu cadáver para uma autópsia a fim de esclarecer “como um cérebro inferior poderia ter produzido tantas obras literárias – romances, crônicas, contos, ensaios e outros alfarrábios – se o privilégio da arte nobre e da boa escrita é das raças superiores?” A partir desse embate com os eugenistas, a peça mostra as várias facetas da personalidade e da genialidade de Lima Barreto, sua vida, sua família, a loucura, o alcoolismo, o racismo, sua convivência com a pobreza, sua obra não reconhecida, suas lembranças e tristezas.

Gênero: teatro
Classificação: 14 anos
Duração: 60 minutos

Grupo

CIA. DOS COMUNS

Rio de Janeiro (RJ)

Criada em 2001 pelo ator Hilton Cobra, a Cia. dos Comuns é um grupo de teatro formado por atrizes e atores negros com a missão artística e política de desenvolver uma pesquisa teatral negra que possibilite maior conhecimento da nossa cultura, além de estimular o apuro técnico e ampliação do espaço de atuação profissional de artistas e técnicos negros no mundo das artes cênicas. É responsável pela encenação dos espetáculos A roda do mundo, Bakulo – Os bem lembrados, Candaces – A reconstrução do fogo (Prêmio Shell de melhor música), Silêncio e Traga-me a cabeça de Lima Barreto, sempre cumprindo temporadas populares no Rio de Janeiro e em outras cidades brasileiras. Também realiza projetos extrapalco, como o Fórum Nacional de Performance Negra (BA), encontro de diretores de grupos de teatro e dança negros (em parceria com o Bando de Teatro Olodum/BA) e Olonadé, a Cena Negra Brasileira (RJ), mostra de teatro e dança negros.

Ficha Técnica

Ator: Hilton Cobra
Dramaturgia: Luiz Marfuz
Direção: Fernanda Júlia
Cenário: Laboratório de Investigação de Espaços do Teatro Vila Velha (Vila de Taipa), Erick Saboya, Igor Liberato e Marcio Meirelles
Direção musical: Jarbas Bittencourt
Direção de movimentos: Zebrinha
Desenho de luz: Jorginho de Carvalho e Valmyr Ferreira
Figurino: Biza Vianna
Direção de vídeo: David Aynan
Adereços: Dominique Faislon
Assist. de direção, preparação corporal e vocal: Fernando Santana
Design gráfico: Ga e Bob Siqueira
Assessoria de imprensa: Márcia Vilella / Target Assessoria
Fotos: Adeloyá Magnoni, Marta Viana e Valmyr Ferreira
Produção executiva: Afonso Drumond/RJ
Operação de luz: Lucas Barbalho
Operação de som e vídeo: Duda Fonseca
Vozes em off: Lázaro Ramos, Harildo Deda, Frank Menezes, Hebe Alves, Rui Mantur e Stephane Bourgade

 

Pensamento Giratório

Duas ou três coisas que sei sobre Lima Barreto

Discussão sobre a obra e a vida de Lima Barreto, com o objetivo de oportunizar uma reflexão teórica que provoque maior entendimento de sua literatura e de seu discurso político e filosófico. A mesa será composta por pesquisadores, artistas e pessoas interessadas na obra de Lima Barreto. Este evento propiciará, além da divulgação dos livros de Lima Barreto, uma profunda reflexão sobre o impacto de sua obra na sociedade de sua época e na sociedade atual.
Mediador: Hilton Cobra
Público-alvo: pesquisadores, artistas e estudantes

Oficina

Cemitério dos vivos

Processo investigativo da montagem de Traga-me a cabeça de Lima Barreto, a oficina abordará os conceitos técnicos e filosóficos utilizados na construção do texto, do personagem e da encenação e suas reverberações na construção da montagem do espetáculo, além de trabalhar conteúdos teatrais com uso da prontidão, imaginação, pré-expressividade, expressão vocal e corporal, improvisação e análise discursiva. Utilizaremos a capoeira buscando atingir um corpo em estado de alerta, prontidão para que o ator possa fazer fluir sua imaginação, experimentar-se vocal e corporalmente. Deste modo pretende-se oportunizar aos atores e as atrizes participantes um enriquecimento e uma reflexão sobre o fazer do ator e suas implicações éticas, políticas e filosóficas.

Público-alvo: atrizes e atores com experiência em teatro
Carga horária: 6 horas
Ministrante: Fernanda Júlia ou Fernando Santana
Número máximo de participantes: 20